Intérprete fala sobre canção oficial de Nada a Perder 2

 

Em sua concepção, em 1993, a primeira versão da atual música “Forte Sou”, se chamava “Expressão”. Nela, Cristiane Cardoso compôs os acordes no piano, como forma de expressar os sentimentos diante dos “desertos pessoais” pelos quais vivia como recém-casada.

O que ela não imaginava é que, 26 anos depois, sua criação serviria de base para a letra inspirada na vida de seu pai, o Bispo Edir Macedo. E ainda mais, seria escrita por seu marido, Renato Cardoso, para o tema oficial do segundo filme da cinebiografia Nada a Perder 2, a ser lançado no dia 15 de agosto.

Acordes e letra prontos, faltava uma voz para fechar a composição. A escolhida foi a da mineira, natural da cidade de Abaeté, Juliana Oliveira, de 46 anos. Ela, que mora em Belo Horizonte, ao lado do marido Wellington Ribeiro, com quem é casada há 13 anos, e o filho, Gabriel Felipe, de 11 anos, todos músicos, começou a sua relação com a música ainda criança. Seu pai também era músico e inspirou a filha.

Aos 17 anos, Juliana começou a cantar profissionalmente. Em 2011, gravou seu primeiro trabalho solo, o álbum “Sopra em Mim”. Também integrou a banda do grupo Força Jovem Universal (FJU), em Minas Gerais, por mais de 10 anos.

Abaixo, Juliana Oliveira conta um pouco sobre como foi a seleção da qual participou, a importância da música para promover a fé inteligente e o que espera que aconteça quando as pessoas ouvirem a canção.

Universal.org: Como foi a seleção?

Juliana: No primeiro momento, o produtor me mandou a letra e disse “Ju, aprende esta música aí”, e eu aprendi a letra. Somente no outro dia, ele me revelou o que realmente estava por trás daquela canção. Fomos para o estúdio e passamos uma tarde lá gravando, buscando a excelência na interpretação, mesmo sabendo que era apenas um teste. Gravamos como se, pela fé, já estivesse sido aprovado. E pela misericórdia de Deus, assim aconteceu.

Universal.org: Como foi receber a notícia que iria interpretar a música tema oficial do filme Nada a Perder 2?

Juliana: Primeiramente, preciso dizer que foi Deus quem me escolheu, pois tinham outras pessoas participando da seleção. Fazer parte da história de vida do Bispo, interpretando essa canção está sendo maravilhoso. Nem no meu melhor sonho eu imaginava isso. É uma honra poder ser escolhida para algo tão grandioso.

Universal.org: o que pensou ao se deparar com a letra?

Juliana: Primeiro, ouvi para entender a história da música. Depois, eu pedi ao Espírito Santo que me ajudasse a interpretar a canção, que, aliás, parecia com a minha história. Pois eu também me sentia invisível, esquecível. Mas, com Deus, também me tornei forte. Então, se tornou algo prazeroso de se fazer. A história de vida do Bispo Macedo inspira qualquer um.

Universal.org: Você disse que foi Deus quem lhe escolheu para esse momento. De onde vem tanta certeza?

Juliana: Eu estava em um momento de entrega total – eu, meu marido e meu filho – nós fomos para o Altar com tudo, com a nossa vida. Eu falei com Deus, que eu não faria um pedido a Ele, entendendo que o Deus a quem eu sirvo é tão grandioso, tão poderoso, que o meu pedido poderia ser tão insignificante diante de tudo o que Ele poderia fazer. Então, o único pedido que eu fiz foi: “Senhor, eu quero viver os Teus sonhos na minha vida”. Eu subi no Altar uma Juliana cheia de sonhos, de expectativas, de desejos pessoais, e desci uma Juliana completamente entregue nas mãos de Deus.

Universal.org: O que a música representa para você?

Juliana: A música é um instrumento maravilhoso. Ela tem um poder grande de influenciar as pessoas. Mas muitos têm usado a música apenas para emocionar, e isso é ruim. Aprendi que, quando cantamos, temos que fazer da canção uma oração. A música, no meio cristão, tem que ser em primeiro lugar para adorar a Deus, e levar as pessoas a um culto racional, afinal, vivemos pela fé e não pela emoção.

Universal.org: Desde a composição no piano, passando pela letra, até o momento em que você coloca a voz, os envolvidos expressaram, de alguma forma, a dor desses momentos de lutas e incompreensões, mas também a força e a beleza que eles se tornaram em suas vidas. O que você espera que aconteça quando as pessoas ouvirem a música, principalmente no filme?

Juliana: Eu espero que cada pessoa se identifique com essa história, que eu acredito ser a de muitos. E que elas, a exemplo do Bispo Macedo, não deem importância para o desprezo, mas que façam de cada pedra lançada o seu Altar, e de Deus o seu melhor amigo e Senhor. Pois, com Deus, eu sou forte, você é forte, e qualquer pessoa que se entregar a Ele, com sinceridade, também será forte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *